Snow
24/06/2020

Política Externa Brasileira: o Coração do CACD

cacd história

POR RÔMULO DIAS

O que faz um diplomata? Muita coisa. No entanto, em maior ou menor grau, como coadjuvante ou como protagonista principal, todos aqueles que seguem a carreira diplomática contribuem para escrever as próximas linhas da política externa brasileira.

Isto posto, o que deve fazer, com toda a força e resiliência, um postulante à já referida carreira? A resposta é simples: estudar profundamente a história da política externa brasileira. Não obstante o caráter quase tautológico desta constatação, não é da tradição da preparação para o concurso de admissão à carreira diplomática, o CACD, a oferta de cursos que trabalhem especificamente o referido conteúdo. Via de regra, a chamada história da PEB está ali, diluída, pulverizada, sintetizada, às vezes preterida mesmo, nos cursos de História do Brasil e de Política Internacional. Um conjunto de saberes essenciais ao concurso encontra-se, em muitos casos, imprensado entre duas disciplinas, fronteira quando deveria ser core.

E já que estamos falando em core, o coração do cacdista deve bater e se inspirar, na vida e na obra daqueles que passaram pelo Itamaraty. Uma boa preparação não é apenas cerebral, cirúrgica, pragmática, científica; ela precisa ser, para que todos tenham a sua saúde preservada ao longo do processo, gostosa, agradável, afetuosa, empática. Assim, desconheço um caminho melhor para começar a preparação, um início oficioso antes mesmo de um início oficial, do que buscar as biografias dos diplomatas; os causos, os imprints legados por aqueles que passaram pela casa do barão. Todo mundo gosta de uma fofoca e qualquer preparação séria visando o CACD deve ser antecedida de uma boa fofocada, um mergulho nos bastidores da carreira, uma imersão na história oficial e oficiosa da política externa brasileira. Fazendo isso, humanizamos aqueles que fizeram o trabalho que pretendemos vir a fazer um dia; retiramos livros da prateleira e ganhamos aliados para caminhar junto com a gente em meio a uma preparação cada vez mais exigente. Tornando-nos íntimos das personagens que fizeram a nossa história diplomática, geramos uma identificação que nos empodera e que pode ser determinante para atravessar o deserto de aulas e leituras.

A minha sensação, em síntese, é a de que pode ser muito mais estimulante, mesmo reconfortante, lidar com a aridez necessária de aulas e livros difíceis, caminhando bem a par da trajetória, não apenas do barão do Rio Branco, mas de um San Tiago Dantas, um Araújo Castro, um Vasco Leitão da Cunha… A preparação para o CACD vai doer sempre, mas será mais agradável em boa companhia.

Para os que estão iniciando a sua preparação para a carreira, para aqueles que se sentem perdidos em meio ao volume de estudos. Para os que estão estudando a anos e para os que estão bem avançados na montagem dos seus respectivos cadernos, uma dica: menos Boris Fausto e menos Hobsbawm; mais dos seus pares. Outrossim, dêem ao estudo da história de política externa brasileira o lugar de destaque que ele merece na preparação de vocês. É real aquela ideia de que o passado está na nossa cabeça e o futuro está em nossas mãos. Mas o passado é muito amplo e, às vezes, a história pode sufocar a gente. Muito cuidado com o que você vai colocar na sua cabeça. Seja seletivo e bons estudos.


Rômulo Dias

Professor e Historiador

Rômulo Dias  é professor, historiador, jornalista e mestre em Geografia. Um dos mais renomados e experientes professores que atuam na preparação de candidatos ao CACD das matérias de História do Brasil e História Mundial. Organizou, recentemente, em co-autoria com o diplomata Jonas Marinho e em parceria com o Grupo Ubique, curso na área de História do Brasil.

Quer ler tudo da Praeterea?

Deixe seu e-mail e você será avisado a cada novo artigo publicado. Você terá ainda acesso imediato ao guia mais completo já escrito sobre planejamento de estudos: o artigo Tic Tac, parte III, escrito por Marcílio Falcão, exclusivo para assinantes desta lista.

Não fazemos spam. Esta lista é exclusiva para divulgação dos artigos da Praeterea.

Artigos recomendados

 

Leia os artigos que mais fizeram sucesso no meio cacdista.

Guia de Reprovação para o Concurso de Diplomata (CACD)

Por MARCÍLIO FALCÃO

Ser reprovado no concurso dos sonhos é, para muitos, uma experiência das mais gratificantes. Pense nas várias vantagens de nunca deixar de ser um ceacedista: não precisa trabalhar, é sustentado pela família; tem agenda flexível, acorda ao meio-dia sempre que quer; dispensa compromissos indesejados porque tem que estudar...

LEIA O ARTIGO...

O princípio da especificidade na preparação para o CACD

Por MARCÍLIO FALCÃO

Sérgio Mallandro, ícone do humor da década de 80, conquistou fama principalmente pelas pegadinhas que pregava e pela irreverência de jamais levar nada a sério. Em apresentação de stand-up, há uns quantos anos, Mallandro disse que não comparece mais a funerais. Nos últimos em que marcou presença, não conseguia lidar...

LEIA O ARTIGO...

Tic Tac (parte I)

A frustração da reprovação; o (re)começo dos estudos; expectativas realistas de aprovação e metas de estudo.

Por MARCÍLIO FALCÃO

Há 14 anos tenho participado da preparação de outros candidatos para o CACD. Não é com tanta alegria que revelo estar muito mais acostumado a lidar com a frustração da reprovação do que com a indescritível felicidade dos que passam, que são uma minoria. Entre os reprovados que sequer cheguei a conhecer, decerto há centenas que...

LEIA O ARTIGO...