Proposta do Curso de Francês para o CACD

Não há forma melhor de se preparar do que com exercícios que desenvolvem as competências específicas cobradas na prova! Veja por quê:

E se te dissermos que uma preparação pragmática para o concurso de diplomata deveria ignorar as habilidades conversacionais dos idiomas, como a compreensão auditiva e a fala?

A pergunta mais comum que ouvimos é: “eu preciso falar francês, inglês e espanhol fluentemente para passar no CACD?”.

Uma resposta curta que costumo dar é: “você não precisa nem falar! Aliás, nem deveria tentar, porque tentar desenvolver a fala das línguas estrangeiras, se seu foco é o CACD, é uma distração que rouba tempo e energia de outros fundamentos que são realmente exigidos para tornar-se diplomata!”.

As línguas, no contexto do CACD, são uma ferramenta para passar em uma prova resolvendo uma folha de papel. Pense nelas como uma linguagem de programação, por exemplo: elas transmitem informação, mas sem a complexidade da oralidade.

Infelizmente, muitos candidatos dedicam a maior parte de suas horas de estudo (e energia) direcionado aos idiomas estrangeiros ouvindo podcasts (em inglês/francês ou espanhol), vendo Netflix, fazendo listas de palavras fora de contexto, lendo materiais que não guardam pertinência com a prova, participando de aulas de conversação (pasme!), fazendo exercícios de gramática não aplicados ao desenvolvimento da escrita e ainda assistindo a aulas no idioma-alvo!

Veja bem: não é que nós não aprendemos nada com essas atividades. Elas não são inúteis, de modo algum. Pelo contrário! Se as dicas fossem para alguém que quer aprender um idioma lato sensu, talvez recomendássemos quase todos esses recursos acima. Eles se complementam e enriquecem, inclusive, sua bagagem cultural, além de preparar para circunstâncias genéricas em que se poderiam usar as línguas.

Foi o que fiz ao longo da vida, tendo estudado 5 idiomas estrangeiros, cada qual aprendido para um contexto diferente: ajustei o método de aprendizado para me tornar proficiente no contexto em que os utilizaria. Falo bem uns, escrevo bem em outros e em um deles apenas consigo ler. E isso é normal!

Se está lendo este texto, é porque quer se aprovado em uma prova concreta — especificamente a do concurso de diplomata. E esse certame tem exigências bem definidas, perfeitamente treináveis, que são as capacidades de traduzir e resumir. Essas competências também dependem, em alto grau, do domínio da gramática, da interpretação de textos e do conhecimento de vocabulário. As habilidades de fala e compreensão não são apenas inúteis, mas também uma distração!

Um programa eficiente e pragmático voltado para os idiomas deve seguir os preceitos acima: ele extirpa essas distrações da oralidade e concentra todo o esforço no desenvolvimento das competências específicas que são requeridas. Ele deve ser ancorado, subsidiariamente, no trabalho de desenvolvimento da gramática aplicada à escrita, da compreensão da leitura e de ampliação do vocabulário ativo.

O Grupo Ubique levou a ferro e fogo o princípio da especificidade e organizou, com um corpo de competentes especialistas, um programa extensivo de 6 meses voltado para os três idiomas cobrados no concurso para diplomata.

Se você quer aprender a falar inglês/francês/espanhol ou entender melhor os filmes a que assiste ou só precisa do conhecimento para a leitura em uma das línguas, nem perca seu tempo nem seu dinheiro! Estes cursos não são mesmo para você! Dizemos sinceramente. Se for o caso, por favor, nem desperdice seu tempo. O curso é apenas para quem quer passar no CACD e virar diplomata. Recomendam-se os cursos apenas para aqueles que querem seguir a trilha do pragmatismo, que busca não só encurtar o tempo de preparação — para que sobrem mais horas para as outras matérias — quanto preparar especificamente para o que é pedido na prova. Nem mais, nem menos.

Método e formato

O método é baseado na resolução de fichas de exercícios semanais que apresentam questões análogas ao que é cobrado na prova: são leituras que se seguem de um resumo e de uma tradução.

Aos módulos são agregadas tarefas de gramática e treino de vocabulário, que são, na medida do possível, incorporados aos próprios exercícios de resumo e tradução.

Depois de resolvidas as fichas, o candidato assiste à aula expositiva (gravada) do(a) professor(a) titular do idioma, que demonstra os possíveis caminhos de resolução das questões propostas e apresenta novas atividades de aprofundamento e expansão do conhecimentos.

As fichas são adequadas a todos os níveis de conhecimento:

  • Iniciante-Básico e
  • Intermediário-Avançado.
Watch Intro Video

Vídeo de apresentação

Professor Igor Barca

Conheça seu Professor

Igor Barca

Professor e Linguista

Igor Barca é licenciado em Letras—Língua Francesa pela UFRN e pela Université de Nantes. Leciona Francês e Inglês para o concurso de diplomata desde 2010 e já contribuiu para a aprovação de dezenas de diplomatas.

O que este curso tem de especial.

O método e as aulas do curso foram planejadas e estruturadas para te ajudar a:

  • Eliminar distrações!

    A fluência oral e a compreensão auditivas não são exigidas no concurso! Perde tempo e esforço quem privilegia atividades de estudo que fogem do que é cobrado na prova! Esqueça aulas de conversação e escuta de áudios!

  • Manter o foco!

    Você trabalha apenas as competências específicas que precisará demonstrar na prova: 1) leitura; 2) gramática; 3) vocabulário; 4) versão (tradução para o Francês); e 5) resumo de textos.

  • Estudar da forma como é cobrado na prova!

    Desenvolva, por meio de exercícios semanais, as 5 competências anteriores para lidar com os dois desafios bem concretos da prova: 1) a produção de uma versão escrita em Francês e 2) o resumo de um texto.

  • Tornar-se mais competitivo(a), pouco a pouco!

    Nada como a prática constante — um pouco a cada semana — para você tornar-se mais competitivo(a) à medida que a prova se aproxima. Os exercícios (e aulas) baseados nas competências de prova permitem que você aproveite ao máximo suas horas de estudo.

  • Promover o contato frequente com a língua!

    Nunca há um teto para nosso conhecimento dos idiomas! Candidato algum chega em um nível de conhecimento em que diz: "já sei Francês o suficiente para passar na prova!".

    Por isso, o candidato não deve almejar chegar a um dado nível de conhecimento do idioma — uma suposta linha de chegada — a partir da qual simplesmente para de estudar a língua. Por isso a necessidade de ter contato constante — até passar — com exercícios que promovem o desenvolvimento das competências cobradas.

  • Aprender colaborativamente!

    Os alunos dos cursos de idiomas do Grupo Ubique participam em comunidade online em que podem, como em um grupo de Facebook, partilhar informações, textos, sugestões de leitura, criar debates, etc.

Resumo do Curso

Veja a seguir a que o curso se propõe, bem como suas principais características:

  • Método baseado na resolução de fichas semanais de exercícios que desenvolvem as competências exatas cobradas pela prova: resumo, tradução (principais) e gramática, leitura e vocabulário (subsidiárias)!

  • Aulas expositivas de resolução comentada das fichas de estudo e explicação dos principais pontos de gramática, vocabulário.

  • Você não perde tempo nem energia com distrações que não são cobradas na prova, como conversação, fonética e compreensão auditiva.

  • O curso é adequado aos candidatos/as de todos os níveis: iniciantes, básicos, intermediários e avançados!

  • O curso é extensivo, em 30 aulas, ao longo de 6 meses!

  • Aulas que apresentam dicas, técnicas e ferramentas que vão ajudar a aprender melhor os idiomas: sites recomendados, plataformas de flashcards, gramáticas recomendadas, etc.

  • Comunidade online de alunos do curso para troca de ideias, compartilhamento de textos, etc.

Opções de pagamento:

Veja a seguir as opções de pagamento:

Ver opções de matrícula em mais de 3 parcelas!

Serão aplicadas as taxas de juros da operadora de cartão do PagSeguro.

Perguntas & Respostas

Algumas das perguntas mais frequentes, acompanhadas das respostas, que podem lhe interessar:

  • Quando começa o curso? Como é o acesso às aulas e às fichas? Quantas horas de dedicação semanal devo aplicar nos estudos do francês?

    As primeiras fichas de exercícios e aulas explicativas serão liberadas, duas por semana, a partir do dia 12 de setembro.

    O acesso às fichas e às aulas se dá pela própria estrutura do curso, uma vez realizada a matrícula. Todas as aulas ficarão gravadas e você pode voltar a assistir em qualquer momento dentro dos seis meses de acesso que terá ao curso.

    Espera-se do candidato a dedicação 4-5 horas semanais (ficha + aula + estudos complementares) para melhor aproveitamento do programa de francês.

  • Quais são as condições de pagamento? Posso dividir em parcelas?

    Sim! Você pode pagar o curso em várias parcelas, sendo aplicadas os juros do Stripe, PayPal ou do seu cartão de crédito!

  • Nunca estudei Francês na vida! Sou iniciante absoluto! Este curso é para mim?

    Sim! Claro! As fichas semanais do candidato iniciante são diferentes daquelas criadas para os avançados. Elas buscam apresentar as noções elementares do idioma por meio de leituras mais simples, exercícios mais simples de tradução e tarefas de reconhecimento da estrutura, sintaxe, formação das palavras (sufixação e prefixação). Na medida do possível, as lições serão amparadas por exercícios adicionais de gramática à parte, que será recomendada pelo professor do curso.

  • Por que as aulas são dadas em português se o curso é de francês????

    Primeiro porque você não é avaliado pela sua compreensão auditiva. Segundo, se você não é perfeitamente fluente na compreensão auditiva, há chance de perder conteúdo passado pelo professor.

    Como dito no Guia de Reprovação da Praeterea, "a introdução da modalidade oral da língua, além de não ser objeto do concurso, atua como vetor de distrações, ou seja, desvia-nos do foco da aula, qual seja, a gramática, a ampliação de vocabulário, técnica de leitura ou escrita.

  • Terei simulados ao longo do curso?

    Sim. Às vésperas da terceira etapa, será organizado simulado da prova de francês (e dos demais idiomas).

    Não está prevista, contudo, a correção individualizada dos simulados. Na ocasião, os alunos que desejarem ter seus simulados corrigidos poderão contratar o serviço, que será disponibilizado à parte.

  • Posso fazer o curso de apenas um dos idiomas? Não quero fazer todos!

    Sim! É possível a matrícula nos cursos tanto individualmente como em pacote.

  • Estão previstas correções individualizadas das fichas de estudo?

    Não! Um curso que contemplasse a correção personal e pormenorizada de cada ficha de estudos, ao longo de seis meses, teria que custar no mínimo três vezes o valor atual do curso! Quem já corrigiu exercícios, tem noção que a correção individual de uma ficha de estudos ocuparia pelo menos uma hora do professor. A correção das fichas por meio de aulas expositivas foi uma maneira viável de organizar um curso específico para o CACD com professores de gabarito tão distinto.

  • Existe uma prova de nivelamento para eu saber que nível devo acompanhar?

    Como dito, são dois modelos de fichas/aulas: um de nível de dificuldade básico/iniciante e um outro mais avançado. A matrícula já permite o acesso aos dois, ou seja, terá acesso às duas fichas e às duas aulas! Se você achar que as tarefas do nível básico estão muito fáceis, simplesmente passe a acompanhar os módulos intermediários/avançados e vice-versa.

  • Sou iniciante/básico. Um curso de 6 meses é suficiente para eu aprender tudo em francês?

    Sinceramente: diria que é quase impossível! Considere, ainda, que você tem outras matérias e idiomas para estudar. O objetivo do curso não é dar a formação completa, mas proporcionar a melhor preparação possível (a mais pragmática) que você pode ter considerando esse breve período. Por essa razão, recomenda-se que se faça o curso até passar na prova, umas vez que outros módulos de continuação serão oferecidos futuramente.

Assista às entrevistas com os professores!

Reveja a série de entrevistas conduzidas pelo diplomata Marcílio Falcão, que conversou com os professores titulares dos cursos sobre as particularidades do estudo de cada idioma cobrado no concurso de diplomata:

Girl in a jacket

Girl in a jacket  
Girl in a jacket